1. Home
  2. Artigos
  3. Carreira
  4. Quer Ter Sorte? Ouse!

Escrito por Ali Baba    03/10/2017 21:03:59

Quer Ter Sorte? Ouse!


  A ousadia é uma virtude quando derivada da coragem.
  E algo a ser temido se oriunda da covardia.
  Yago era ousado ao tramar contra Otelo, embora fosse notadamente um covarde. A ousadia que abordaremos aqui, é aquele impulso que permite aos homens e mulheres de bem a sairem da sua zona de conforto, transformando meros mortais em louváveis titãs.
  Os motivos que levam alguém a ousar vão da mera curiosidade à tragédia pessoal, com muitos matizes entre esses dois pólos, mas o fato é que sem ousadia não há sucesso, seja qual for sua definição dessa palavra.
  O que me motivou a escrever sobre isso foi uma experiência recente com um garoto que fez parte de uma empresa que foi minha, vamos chamá-lo de Carlos, e, paralelamente, a história de um paranaense que circula nas redes sociais.

Mr. Nice Guy...

  Carlos é um rapaz de boa índole, trabalhador, esforçado e inteligente. De família humilde, sonha em ter uma vida melhor e trabalha por isso. Mas a vida não é justa, e Carlos acabou de descobrir isso.
  Há poucos meses, preparando-se para subir a escada corporativa, Carlos gastou suas economias e, sem ajuda da empresa, foi para o exterior fazer um curso intensivo de inglês. Imaginou que a fluência no segundo idioma aceleraria sua escalada. Sentia-se seguro, certo de que todos gostavam dele e de seu trabalho. Acreditou que o futuro seria bom e sentia até um “quentinho” gostoso na barriga ao pensar numa carreira segura e próspera na multinacional. Seria promovido após acabar a universidade, talvez assumisse uma função mais importante na matriz ou fosse deslocado para uma filial em Santa Catarina ou Paraná, com um cargo bem razoável e algumas vantagens adicionais. Adeus, Baixada Fluminense!

  O problema é que desconhecemos o plano de Allah. Bolas de cristal não funcionam, economistas pós-graduados estudam anos e não conseguem fazer previsões consistentes para 30 dias, empresas quebram, amor eterno acaba, e excelentes funcionários são demitidos pelas mais diversas razões.
  Pois é. Carlos e seus planos foram parar no olho da rua, e agora ele está desesperado. Perdeu o chão. Foi a primeira porrada da sua vida profissional. Agora teve que aceitar um trabalho ruim, apenas para ter folego até conseguir algo melhor.
  Pessoalmente, por mais cruel que isso possa parecer, acredito que Carlos recebeu um presente divino. Durante a viagem ao exterior, reencontrou sua irmã que saiu do Brasil há muitos anos e está muito bem na Europa, e ela o convidou para ir morar lá. Ele pode ficar na casa dela até se estabilizar, e ela o ajudará no que for possível. Um emprego e até uma faculdade por lá, são alcançáveis.

Carlos hesita...

  A namorada de muitos anos e todos os planos que fizeram juntos, a casa que comprariam, o carrinho, as férias em família. Os pais que sentiriam saudade, as comidas que gosta, as músicas, o clima e todas aquelas coisas que lhe pareciam tão caras, agora o ancoravam ao Brasil. Ele se agarra àqueles sonhos que não serão todos desfeitos, mas certamente modificados, e esquece até mesmo as horas que passa dentro de um trem lotado para chegar ao trabalho humilhante, cheio de marmanjo cheirando a ressaca nas segundas pela manhã, e vê apenas as coisas boas que perderia se fosse embora, sem se dar conta que foi tudo uma grande ilusão.
  Sente uma profunda raiva e uma angustiante impotência. Seu destino fora decidido sem que pudesse dizer nada. Malditos! Ele ia dar a volta por cima! Eles iriam ver!

Enquanto isso...

  Em Anchorage, um paranaense, Thiago Muzika, contava como saiu de Aparecida do Norte/SP, desceu até o Ushuaia, e subiu para o Alaska...em uma CG 125, ano de fabricação - 2000!
  Não tinha dinheiro, apenas um sonho e uma dose cavalar de OUSADIA.
  Os dois tem mais ou menos a mesma idade, o Thiago deve ser uns três ou quatro anos mais velho que o Carlos, mas um está construindo sua história, e outro está empacado, congelado pelo medo, pela raiva e uma esperança insana que tudo se concerte sozinho, magicamente. Fica procrastinando uma decisão que deveria ser automática.
  Sair da zona de conforto exige ousadia. Não tem jeito.  O que você faria no lugar de Carlos?
Bom, eu consigo ver claramente a estrada que o guerreiro tomaria, e a estrada que o escravo seguiria. Rezo para que o meu jovem amigo seja guerreiro e tome a decisão acertada.
  Arrependimentos por não aproveitar esse tipo de oportunidade acabam com a vida de alguém. Já viram aqueles velhos cheios de história que começam sempre com “se”? Se eu tivesse feito, se eu tivesse ido, se eu tivesse tentado, se eu tivesse estudado, se, se, se... minha mãe dizia que “se” é pior que câncer, mata a pessoa por dentro.
  Minhas preces estão com Carlos, quero ver o rapaz deslanchar e saber que tive uma pequena participação no sucesso que ele certamente alcançará, se OUSAR.
  Quanto ao Thiago Muzika, não importa o que venha depois, ele já atingiu o seu sucesso. O problema dele agora é que sempre vai exigir mais de si mesmo, terá de aprender a administrar isso.
  Apenas cada indivíduo sabe quais são seus interesses, sonhos, inclinações, medos, paixões, etc. E eu não posso e nem pretendo dizer a cada um o que fazer com suas vidas, mas se sua idéia de sucesso envolver algum tipo de plenitude, eu digo, sem medo de equívoco, que você terá que OUSAR. Claro que sorte, esforço, paciência, preparo, coragem e outros fatores entram na equação, mas sem dar o passo na escuridão, você não chega lá.

  Boa sorte,

Ali Lucky Baba

Gostou do texto? Cadastre-se no site e começe a seguir o usuário Ali Baba. Sempre que ele postar um novo artigo, você será notificado.

Para ler outros textos do usuário Ali Baba, clique aqui.