1. Home
  2. Artigos
  3. Finanças pessoais
  4. Clube de investimento em ações: é uma boa para você?

Escrito por Ali Baba    28/03/2017 09:34:10

Clube de investimento em ações: é uma boa para você?


Esse texto foi escrito por Fabricio Peruzzo, forista que contribuíra com algumas postagens bem interessantes na parte de investimentos e finanças pessoais.

O site dele é www.papaiinvestidor.com.br 
Boa leitura!

Estes dias estão sendo especiais, estou formando, junto com amigas, amigos e familiares, um clube de investimento em ações. Clube mesmo, formal, registrado na Bolsa, com CNPJ próprio e nome pomposo e criativo. Não vou falar do clube em si, até porque a CVM não permite que clubes de investimento sejam anunciados publicamente, mas sim sobre os motivos que podem haver para um clube de investimentos ser uma boa opção para você.

Um clube de investimentos é apenas um CNPJ registrado na Bolsa de Valores que possui ações em seu nome. Há cotistas (mínimo 3, máximo 50) e uma taxa de administração cobrada pela corretora que faz a contabilidade do clube. Pode ser contratado um gestor profissional, ou ser gerido por um dos cotistas, como é o caso do clube que estou formando.

A facilidade do clube em comparação a possuir as ações individualmente é enorme. Ao declarar os investimentos em ações no IR anual precisamos declarar na relação de bens quantas e quais ações possuímos, além do preço médio de aquisição, que tem que ser recalculado a cada nova compra, ou cada vez que há algum bônus ou subscrição. Temos que declarar também os lucros e dividendos na aba de lucros isentos e não tributáveis, sem esquecer de declarar os juros sobre capital próprio na aba de rendimentos sujeitos à tributação exclusiva. Há ainda os juros sobre capital próprio declarados mas não pagos, que é declarado como crédito contra pessoa jurídica, identificando o nome e CNPJ da empresa pagadora, na aba de bens e direitos da declaração anual. Tudo isso para cada uma das ações que você possuir, ou seja, em uma carteira minimamente diversificada, estamos falando de tudo isso para ao menos uma dúzia de ações. E quase esqueço de falar da questão dos lucros nas compras e vendas de ações, nos impostos retidos e taxas que tem que ser declarados mês a mês, nas DARFs de imposto que tem que ser pagas quando as vendas mensais superam o limite de isenção de R$ 20.000 e nos prejuízos que devem ser anotados e usados como compensação dos lucros nos meses seguintes. Evitar esse abacaxi todo foi o motivo para eu sair da zona de conforto e buscar uma alternativa mais efetiva. O clube foi a solução ideal.

Há vários motivos para usar a estrutura de um clube de investimento como veículo para investir em ações. Antes delas, porém, deixa eu explicitar que o clube, para obter os benefícios que lhe cabem, deve manter no mínimo 67% de seu patrimônio comprado em ações, ou seja, o clube não é um guarda-chuva para todos seus investimentos pessoais, mas apenas para a parcela de maior risco em busca de melhores resultados. Antes de pensar em formar ou entrar em um clube já existente você deve já possuir uma boa reserva de emergência e um bom patrimônio investido em títulos de renda fixa como o Tesouro Direto. O indicado é dedicar entre 10% a 30% de seus investimentos à renda variável, dependendo do momento específico do ciclo de mercado.

Benefícios e características de um clube de investimentos:

  1.  Facilidade na declaração do IR: não importa quantas operações você realize na bolsa, que valores mensais negocie, quantas ações possua em carteira, no fim do ano a corretora envia o informe de rendimentos e basta declarar o valor do ano anterior, o do ano a que se refere o IR, e os rendimentos, como se faz com qualquer investimento trivial em fundos de investimento.
  2.  Isenção de IR e IOF nas movimentações do clube: podemos negociar acima do valor de isenção mensal para pessoa física, de R$ 20.000. Também o valor mantido em caixa para operações de curto prazo pode ser aplicado em fundos de renda fixa sem o pagamento de IOF ou IR para aplicações de curtíssimo prazo.
  3.  Maior volume investido: ao contar com recursos de um grupo de pessoas, tem-se um valor maior do que investindo sozinhos, permitindo assim maior diversificação e diluição dos riscos. Podemos ainda realizar operações pontuais mais arriscadas que exijam valores mais altos, mas devido ao volume total mantendo estes valores dentro de percentuais baixos em relação ao todo.
  4. Diluição dos custos: ao operar valores mais altos temos os custos de operação representando valores menores em relação ao total investido.
  5. Possibilidade de operações sofisticadas: operações que se utilizam de arbitragem, aluguel de ações e outras sofisticações podem ser realizadas com facilidade através da mesa de operações.

Se você possui um valor razoável para investir em ações e ao menos dois familiares ou amigos interessados em replicar sua estratégia, considere formar um clube de investimentos.

As limitações são poucas, basicamente a necessidade de exigir ao menos três cotistas e um limite de no máximo 50 cotistas. O maior cotista não pode possuir mais de 40% das cotas do clube, então este não é o veículo apropriado caso queira investir sozinho ou tenhas valores muito maiores do que os outros participantes.

O imposto de renda é retido na fonte, de 15% sobre os lucros, pago somente quando forem realizadas retiradas do clube, tornando este investimento ideal para a formação de patrimônio de longo prazo no mercado acionário.

Operacionalmente, é abrir conta na corretora junto aos outros participantes, usar um modelo da própria corretora para a ata de criação do clube, definir quem fará a gestão da carteira, nome do clube e valores de aporte iniciais e posteriores. Então é só aguardar o registro, que leva aproximadamente duas semanas, transferir o dinheiro para a corretora e pedir a alocação do valor no clube.

Gostou do texto? Cadastre-se no site e começe a seguir o usuário Ali Baba. Sempre que ele postar um novo artigo, você será notificado.

Para ler outros textos do usuário Ali Baba, clique aqui.