1. Home
  2. Artigos
  3. Carreira
  4. Contratação e retenção

Escrito por fogo    04/02/2017 22:04:21

Contratação e retenção


Antes de iniciar o próximo assunto, vamos esclarecer o óbvio: O mercado tem ciclos de euforia e depressão. E estes ciclos se auto alimentam pela manada. Ninguém quer ser o primeiro a diminuir a produção num ciclo de alta, e tão pouco investir excessivamente num ciclo de baixa. Empresas também seguem a manada. Demitem, cortam custos e diminuem a produção em uma recessão, e investem, aumentam salários e benefícios em uma expansão.


Assim, temos o gargalo humano de uma expansão: como contratar, e reter pessoas em períodos de alta da economia.

Reter pessoal em uma crise é mamão com açúcar. Você corta benefícios, demite o excesso e quem fica levanta as mãos para o céus, te agradece e detona o governo. Na euforia é diferente. Falta mão de obra e recursos para quem não se preparou, a empresa perde mercado, seu setor perde investimentos para outros setores que demostram melhores margens, e você sente que não recebeu o convite para a festa pois não estava vestido adequadamente.

Uma corporação tem as armas globais de contratação e retenção, que vão de pacote de benefícios que podem incluir carro, moradia, escola para filhos, até complementos salariais através bônus de produtividade, ações e opções de longo prazo, e previdência privada. Porém as armas locais são os gestores. O empregado não olha para o CEO da empresa ou para o gerente de RH antes de decidir sair ou entrar na empresa, olha para o chefe imediato. Como ele se comporta e se é coerente no discurso e nas ações. 

Desta forma, da mesma maneira que você não pode delegar para outro uma demissão, não delegue uma contratação. Esteja você sentado entrevistando o candidato. Que ele lhe conheça do dia 1. É como um pato nascendo, a primeira cara que ele ver ele vai seguir. Ou você quer que ele siga a gatinha do RH? O mesmo vale para as más notícias. Se algum imbecil resolveu cortar o benefício de creche escolar por algum motivo de economizar sete palitos de dente, dê a notícia a todos. Pessoalmente. Não mande um e-mail (ou wzapp, cada vez mais comum ultimamente). E não coloque a culpa no imbecil. Você representa a empresa para sua equipe, não se esqueça disso.

Outro ponto. Você quer ser respeitado, então mantenha sua posição. No meu caso, isto significa não negociar salários em um pedido de demissão, e não recontratar pessoas que saíram da empresa. Há exceções, porém estas regras são necessárias para manter a seriedade da decisão. Se você concordar entrar em leilão toda vez que alguém pedir para sair da empresa, corre o risco de criar um efeito dominó em sua equipe. Já vi casos de funcionários falsificando propostas salariais de concorrentes para barganhar aumento salarial. Este é assunto para outro artigo, mas resumindo, se o funcionário quer conversar sobre salários, não coloque na mesa a saída da empresa como forma de pressão. Da mesma maneira, não pense que esta é uma decisão que pode ser revertida facilmente, com um retorno fácil caso as coisas não sejam como esperadas do outro lado da cerca. 

Obvio, se você gerencia um setor de telemarketing, não recontratar não se aplica, então entenda as regras de sua área, e siga princípios bem definidos. E que sua equipe saiba quais são antes de entrar em sua sala para iniciar uma negociação salarial. Porém, para que isso funcione, há de se deixar claro qual então serão as regras de promoção. Estas devem existir e também serem cumpridas. Uma conhecida é a de Jack Welch - 20 70 10. Os 20% a serem promovidos/premiados, os 70% a serem mantidos e os 10% a serem afastados.

Por último, mantenha um contato com seu chão de fábrica. Converse, tenha reuniões de linha de frente, onde eles expõem o setor para vocês. Olha, uma empresa não é uma democracia, mas se você quer sua equipe do seu lado, esteja do lado dela. Não crie uma redoma em sua sala, escrivaninha ou o que seja.

Reter, contratar e demitir são ações fundamentais em um cargo de gerência, que se bem feitos permitirão que você consiga alçar vôos cada vez maiores com uma equipe bem preparada para crises e euforias.




Gostou do texto? Cadastre-se no site e começe a seguir o usuário fogo. Sempre que ele postar um novo artigo, você será notificado.

Para ler outros textos do usuário fogo, clique aqui.



Comentários


Ainda não existem comentários para este artigo.